Cinema

Rayme Assistiu: A Invenção de Hugo

15:42

Lançamento: 17 de Fevereiro de 2012
Duração: 126 minutos
Direão: Martin Scorsese
Gênero: Aventura, Drama...

O filme se passa em Paris, nos anos 30, onde conhecemos Hugo Cabret, um menino que, após perder o pai, é adotado pelo tio bêbado que é responsável por cuidar de todos os relógios em uma estação de trem. A única coisa que seu pai lhe deixou foi um velho robô, quebrado, e que ambos tentavam fazê-lo funcionar.

O tio do garoto some, e ele continua fazendo o seu trabalho, mantendo sempre os relógios funcionando para que ninguém sinta a falta do tio e descubra Hugo morando sozinho e escondido na estação. Um dia, ao fugir do inspetor da estação, Hugo conhece Isabelle, uma jovem da mesma idade que ele, e acabam se tornando muito amigos.

Acredito ser um filme que agrade todos os públicos, pois ele não se enquadra nos gêneros aventura e drama, apenas, mas também é uma mistura de comédia, romance, ficção, e até mesmo um documentário, como podemos ver ao final.


Lembro que, na época em que comprei o filme, o que me motivou foi o fato de saber que se tratava de uma adaptação ao livro homônimo de Brian Selznick, sendo mais voltado para o público infanto-juvenil. Ainda não li o livro, então, me restrinjo a qualquer comparação. Já o filme, pela grande quantidade de informação, passa a ser voltado para pessoas de todas as idades.


Quem gosta da história do cinema, em si, este filme é um prato cheio, pois aqui temos um breve relato sobre George Meliès, um ilusionista francês de muito sucesso e que também foi um dos precursores do cinema. Meliès é considerado o pai dos efeitos especiais, sendo que fez mais de 500 filmes e tendo trabalhado tanto com a atuação como na produção deles.

E isso tudo é através da história de Hugo Cabret que podemos conhecer um pouco da vida de George Meliès, valendo a pena ser visto por qualquer pessoa que tenha interesse na história deste grande homem que deu o ponta-pé inicial para a maravilha dos cinemas que conhecemos hoje.


“Gosto de imaginar que o mundo é uma grande máquina. Você sabe... máquinas nunca tem partes extras. Elas têm o número e tipo exato das partes que precisam. Então imagino que se o mundo é uma grande máquina, eu também estou nele por algum motivo. E isso significa que você também está aqui por alguma razão.”

Você pode gostar disso

3 comentários

  1. Oi Rayme!
    Eu amei esse filme!!! Achei tão mágico!
    Queria ler o livro também, pois ele parece ser igualmente lindo.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  2. Esse filme é tão incrível! Sério, me apaixonei por ele porque ele é lindo demais! <3

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  3. Oi,

    já vi esse filme e gostei bastante, ele é uma gracinha!

    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!

Sinta-se em casa e se gostar do post, não esqueça de comentar.

Beijos!

Último vídeo

Assista também: